fbpx

E aí, pessoal! Tudo bem com vocês? Sejam muito bem-vindos a mais um texto do nosso blog sobre saúde mental. Hoje, vamos te contar um pouco mais sobre a automutilação e te mostrar qual o tratamento mais eficaz!

Seja em crianças, adultos ou adolescentes, a automutilação pode ocorrer e precisa ser tratada, nos seus mais diversos níveis, a fim de acabar com esse sofrimento!

Leia mais:

O que é Automutilação não suicida?

Você já deve ter ouvido falar no termo automutilação não suicida. A automutilação não suicida é caracterizada por cortes, lesões e machucados que a própria pessoa causa em si mesmo, sem a intenção de causar a morte e gerar o suicídio.

E esses cortes sempre surgem num momento de dificuldade emocional. Ou seja, quando a pessoa não está conseguindo lidar com as suas emoções – que estão vindo com muita força e com muita intensidade -, e acaba recorrendo à prática dos cortes e lesões.

Essas lesões geralmente vêm com o auxílio de objetos, como navalhas, facas e tesouras – sem o interesse de gerar o suicídio. Já que a pessoa está lidando com uma dor emocional muito grande mesmo, os cortes acabam sendo uma forma de a pessoa se centrar no momento.

É claro, se você não está sofrendo com isso, pode ser bem difícil compreender porque uma pessoa faria isso. No entanto, quando você senta e conversa com uma pessoa que está praticando automutilação, ela vai dizer para você que ela também não entende muito bem isso.

Mas, ainda assim, acaba sentindo um alívio da dor emocional quando pratica a mutilação.

Automutilação: como é feito o diagnóstico?

O diagnóstico da automutilação é feito com base na entrevista clínica. Ou seja, o profissional de saúde – como um psiquiatra, um psicólogo ou um médico -, vai conversar com a pessoa e avaliar o que tem acontecido na vida dela.

E lembre-se: a automutilação é caracterizada por cortes e lesões que a pessoa pratica em si mesmo. Sendo assim, ela tem a intenção de praticar esses cortes. No entanto, ela não tem interesse de, através das suas lesões, gerar o suicídio.

Na prática, ela tem o interesse de parar com a dor emocional. Porque é uma dor emocional tão grande que a pessoa não está sabendo como lidar no momento – e os cortes acabam sendo uma maneira de lidar com esse sofrimento.

Quando iniciar o tratamento para automutilação?

Quando um profissional de saúde é consultado e esse profissional identifica a prática de automutilação no paciente! Então, ele pode fazer o encaminhamento; seja para a psicoterapia, ou seja para o acompanhamento psiquiátrico, com o uso de medicações, para que um sofrimento emocional seja aliviado.

Mais uma vez, é importante deixar claro que a pessoa que está praticando automutilação não está fazendo isso porque ela gosta disso. Mas pelo contrário, é porque ela está passando por um momento muito desgastante e muito desafiador mesmo!

Então, o tratamento pode iniciar assim que o profissional de saúde for consultado, ok? Se você tem sofrido com automutilação, não deixe de consultar um profissional de saúde! Porque hoje mesmo você já pode agendar uma consulta com um psicólogo ou com um psiquiatra e dar início ao seu tratamento, para ter cada vez mais bem-estar.

Tratamento para automutilação é diferente para crianças e adolescentes ?

Sim, o tratamento da automutilação será um pouquinho diferente. No entanto, isso tem muito mais a ver com a idade e a fase do desenvolvimento do indivíduo – criança, adolescente ou adulto -, do que com relação às técnicas em si.

Com relação à criança e ao adolescente, a gente terá que conversar com a escola. Nesse sentido, devemos observar o que tem acontecido no ambiente escolar, para entender se há alguma situação de bullying, de humilhação ou de algum tipo de abuso – físico, verbal ou até mesmo sexual – que tenha ocorrido no contexto escolar.

Porque esse cenário pode desencadear, aumentar ou piorar os casos de automutilação. Mas não é apenas o contexto escolar que devemos avaliar. Também, devemos nos atentar ao contexto familiar e às amizades da criança e do adolescente. Ou seja, será que tem algum amigo ou algum familiar que tem contribuído negativamente com o quadro emocional desse jovem?

O papel da família no tratamento da automutilação

Assim, antes mesmo que ajustes nessas relações sejam feitas, as orientações à família serão essenciais, já que o jovem será instruído a pedir a ajuda dos familiares antes de recorrer às práticas de automutilação. Isso pode significar pedir para um familiar ajudá lo a praticar uma técnica de regulação emocional, por exemplo.

E para isso, a família deve estar atenta, informada e bem orientada para poder ajudar esse jovem. Então sim, o tratamento será um pouco diferente, mas muito mais relacionado à idade e ao contexto do jovem, do que com relação às técnicas em si.

Automutilação: tratamento indicado

Agora que você já sabe mais sobre a automutilação, como é feito o diagnóstico e quando iniciar o tratamento, vamos falar sobre qual o tratamento mais indicado nesses casos!

Terapia comportamental dialética

Quando revisamos a literatura científica no assunto, encontramos que a terapia proposta por Marsha Linehan e colaboradores – conhecida como a Terapia Comportamental Dialética (DBT) – é o tratamento mais indicado.

Porque, dentro da terapia comportamental, o indivíduo poderá aprender técnicas de regulação emocional e ter contato direto com o seu terapeuta em um momento de crise. E a vantagem disso é que o terapeuta pode orientar o paciente em momentos desafiadores!

Além disso, o tratamento sugere um grupo de apoio – um grupo pra você poder praticar novas habilidades – e também a própria terapia individual, que está compreendida no modelo da Terapia Comportamental Dialética.

De qualquer forma, é superimportante você poder procurar um profissional de saúde, mesmo que não seja nessa abordagem clínica. Procure um psiquiatra ou um psicólogo para dar início ao seu tratamento!

Terapia de regulação emocional em grupo

(falta texto)

Inicie o tratamento com a Eurekka

E se você tem interesse em saber um pouquinho mais sobre como que a terapia de Eurekka funciona no tratamento da automutilação, é com o maior prazer que vamos receber você aqui para realizar uma conversa conosco!

A Eurekka é uma clínica de psicologia que faz centenas de atendimentos mensais, na modalidade presencial e online também! Ainda assim, todos os dias disponibilizamos, em nossas redes sociais, conteúdo exclusivo e gratuito sobre saúde mental, psicologia e tudo mais que possa te ajudar a viver uma vida melhor.

Curtiu? Para acessar esses conteúdos gratuitos sobre psicologia e saúde emocional, clique na rede social que preferir: Instagram, Facebook e YouTube!

Então, fique a vontade para marcar uma conversa inicial com um de nossos terapeutas, clicando aqui!