Eu tenho certeza que você já ouviu essa frase: depressão é falta de Deus. Mas será que ela é verdadeira? Seja bem-vindo a mais um texto da Eurekka. O meu nome é Luiz, eu sou um dos terapeutas aqui, e hoje quero te ajudar a responder essa dúvida: depressão é mesmo falta de Deus, ou isso é um mito? O que a psicologia tem a dizer sobre isso?

No texto de hoje, vamos responder essa grande dúvida, te mostrar quais os benefícios reais da religião para a cura da depressão e falar sobre dois casos de padres que passaram pela depressão.

Relação entre depressão e religião

Como vocês já devem saber, a depressão é um transtorno mental caracterizado pela ausência de vontade em fazer as coisas que antes você gostava. Pode ser que a maior parte dos seus dias você passe com um humor abatido e você esteja, até mesmo, pensando em se machucar ou em tirar a própria vida. Ou então, antes, você tinha um determinado peso e agora variou, para cima ou para baixo.

Todas essas modificações que ocorrem com você, tanto a nível cognitivo – de pensamentos -, tanto a nível físico – você realmente se sente abatido, com variação de peso etc -, a gente costuma chamar de depressão.

Mas afinal, o que a religião tem a ver com a depressão?

As religiões tentam nos dar um direcionamento para a nossa vida. Normalmente, a pergunta que os seres humanos se fazem é: qual é o meu propósito aqui na Terra? O que eu devo fazer aqui para ser feliz?

E a depressão está muito relacionada a uma vida de sofrimento, a uma vida em que você não está vivendo no seu potencial máximo. Nesse sentido, as religiões tentam endereçar a falta de ânimo e a tristeza a você não estar vivendo conforme determinados hábitos e códigos de conduta. E isso poderia ser ajustado caso você aderisse a condutas e comportamentos específicos prescritos por cada religião.

Assim, a religião surge para o ser humano como uma maneira de obter um propósito na vida. Uma maneira de a gente poder preencher esse nosso sentimento de vazio, de que em algum momento nós vamos nos separar do nosso corpo, vamos abandonar o planeta Terra e vamos nos encontrar novamente em outro plano de existência. E de acordo com muitas religiões, a existência pós-morte estaria relacionada às atitudes e às ações que nós tomamos durante a nossa vida.

Religião como elemento terapêutico

Então, as religiões surgem como um elemento terapêutico, porque grande parte delas está fundada em uma ideia de comunidade e em uma ideia de sofrimento comum.

Nesse sentido, todos nós estaríamos padecendo de algum tipo de mal na terra e, através do seguimento de algumas regras, leis e mandamentos, a nossa vida poderia ser um pouco menos sofrida. Ou então, após a nossa morte, nós poderíamos alcançar algum tipo de paraíso e recompensa, com base numa boa vida aqui na Terra.

Religião como fator protetivo da depressão

A questão é que a religião, por se basear na ideia de comunidade, envolve o contato social com outras pessoas. Logo, envolve você estar junto a outras pessoas; seja lendo, seja cantando uma música, seja praticando uma caridade etc. Esse aspecto social, do contato com outras pessoas, acaba sendo um fator protetivo em você desenvolver depressão.

Mas é claro que não é só isso que a religião pode nos trazer de benefício! Porque ela também supõe que existem hábitos que podem nos atrapalhar e hábitos que podem nos ajudar. Na maior parte das vezes, as religiões condenam excessos e valorizam a moderação.

E isso se traduz na nossa vida como: você poder manter uma vida em que você presta atenção na sua saúde física; ou então poder manter uma vida em que você presta atenção nos outros através da empatia e através da caridade e de atos de gentileza;

Porque, por exemplo, quando você começa a cuidar do seu corpo e fazer exercícios físicos, você começa a comer com moderação; você começa a visitar seu médico com mais regularidade; você começa a conversar com as pessoas da academia e criar laços de amizade. E são esses hábitos que podem ajudar você tanto a não desenvolver a depressão, como também a você sair da depressão com mais facilidade.

Depressão é falta de Deus? Mito ou verdade

E para gente poder desbancar esse mito com muita rapidez, eu digo a você que está lendo agora esse texto: pesquise na internet sobre os depoimentos de duas figuras religiosas muito famosas no Brasil.

Depoimento do Padre Marcelo Rossi e do Padre Fabio de Mello

A primeira delas é o Pe. Fábio de Melo. Ele registrou na internet o seu desabafo, tanto sobre a sua luta contra a depressão, quanto sobre a sua luta contra a síndrome do pânico. Nesse depoimento, o Pe. Fábio de Melo deixou muito explícito que depressão não é ausência de fé, ou seja, que depressão não é a falta de Deus!

No entanto, se você ainda tem alguma dúvida, eu convido você a pesquisar o depoimento do Pe. Marcelo Rossi. Essas duas figuras são muito famosas no Brasil e tenho certeza que você já deve ter ouvido falar de pelo menos uma delas. Agora, o que talvez você não tenha ouvido falar é que essas duas pessoas, por mais religiosas que sejam, acabaram padecendo da depressão.

Se você ainda tinha qualquer tipo de dúvida e até se perguntava: “Bom, então eu devo estar sofrendo com a depressão porque eu não estou me envolvendo com a minha religião o bastante. Eu quero aqui tirar esse esse fardo de você. Porque a religião pode ajudar você a se libertar da depressão, mas quando nós estamos padecendo de algum sofrimento mental é sempre melhor poder contar com todas as ferramentas possíveis.

Se você hoje pratica uma religião, continue praticando se isso estiver fazendo bem para você. Porém, eu também sugiro que você procure atendimento especializado com psiquiatra e com psicólogo, para que você consiga combinar todas as maneiras de sair desse sofrimento o mais rápido possível.

Conciliação entre Psicologia e Religião

A conciliação entre a psicologia e a religião vem da seguinte forma: cada vez mais pesquisadores – tanto neurocientistas, quanto psicólogos – têm tentado avaliar qual é o real benefício de praticar uma religião. E os resultados das pesquisas têm sido muito interessantes!

O que tem sido mostrado é que não existe uma religião específica que possa ajudar você a sair ou a entrar, com mais ou menos facilidade, na depressão. Mas que você promover a sua espiritualidade e entrar em contato com forças que você percebe serem muito maiores do que você, é uma maneira de você se blindar.

Porque nesse processo você pode desenvolver mais resiliência para lidar com o sofrimento mental e conseguir sair com mais facilidade de um quadro como o de depressão e o de ansiedade. Por isso, se você tem se perguntado: “Será que a religião pode me ajudar a me livrar desse sofrimento?” Sim, ela pode!

No entanto, não é interessante que você aposte todas as suas fichas em apenas um tipo de ajuda. Em todo Brasil você vai encontrar religiões, igrejas e templos que promovem a cura da depressão em alguns instantes. Ou seja, indivíduos que se promovem como profissionais da saúde mental e que conseguem curar a depressão em algumas horas.

E eu peço para você tomar muito cuidado com essa ideia de cura milagrosa! Porque o que a ciência nos mostra é que a religião ajuda, mas quando a gente está lidando com um transtorno mental, é bom que você tenha todas as ferramentas à sua disposição ( e isso inclui você ter um atendimento psiquiátrico e psicológico).

Psicólogos crentes: meu psicólogo precisa ser da mesma religião que eu?

Para responder essa dúvida, eu vou trazer o código de ética profissional do psicólogo. Porque dentro do código de ética, como ele está escrito em 2020, o psicólogo não poderá induzir crenças religiosas nos seus clientes.

Então, como ser humano, esse profissional tem todo o direito de desenvolver a sua espiritualidade – através da religião que quiser. Contudo, durante o atendimento psicológico, o profissional não poderá incutir ou incentivar estratégias de religiões que não condizem com a crença pessoal do paciente.

Se você está procurando um psicólogo e faz questão que ele seja da mesma religião que você, tudo bem, isso é uma escolha pessoal. No entanto, qualquer profissional da psicologia ou psiquiatria que atenda você e, de alguma maneira, diga que a sua religião está errada ou que deveria começar a seguir outra religião, está infringindo o código de ética.

Tome muito cuidado, porque esses profissionais, na maior parte das vezes, estão desconectados tanto do código de ética, quanto das práticas mais atualizadas na psicologia. Em resumo, religião e psicologia não precisam ser um embate. Mas você pode, tanto através da religião, quanto através da psicologia, se livrar do mal do século 21, conhecido como depressão.

Inicie o tratamento de depressão da Eurekka

Eu espero que esse texto tenha ajudado você! Se você ainda tinha essa dúvida sobre se a depressão seria falta de Deus, espero ter respondido da melhor forma, ok? Além disso, se você hoje está pensando em buscar atendimento psicológico para depressão, eu convido você a conhecer o nosso trabalho.

Se você quiser saber mais sobre a terapia da Eurekka e marcar sua conversa inicial, para dar início ao seu tratamento de depressão, é só clicar aqui!

E para acessar mais conteúdos gratuitos como esse sobre psicologia e saúde emocional, clique na rede social que preferir: Instagram, Facebook e YouTube!