fbpx
Escolha uma Página

E aí galera, bem vindos a mais um texto da nossa série sobre depressão. A pergunta do texto de hoje é distimia tem cura?

Até o final do texto você vai saber a resposta para essa pergunta e para mais algumas outras como: O que é distimia? Quais são as principais causas de distimia? Como ajudar alguém que tem distimia? E ainda outros. Então, lê até o final, que vai valer a pena e vai ser muito educativo.

O que é distimia?

Distimia é um transtorno de humor caracterizado, principalmente, por um longo período de sintomas de depressão leve. Enquanto uma depressão comum pode ter sintomas mais intensos, mas durar até seis meses, a distimia pode ter sintomas mais leves, mas durar por muitos e muitos anos.

É por isso que a depressão e a distimia são dois transtornos muito parecidos, mas a principal diferença entre eles é a duração dos sintomas.

Quais são as principais causas de distimia?

Como vários outros transtornos mentais, as causas da distimia ainda não estão bem estabelecidas pela ciência. Assim, não existe uma única causa, mas sim muitos fatores que aumentam ou diminuem a chance de você ter distimia.

No entanto, a maioria desses fatores tem a ver com hábitos. Ou seja, com o seu estilo de vida: o quanto de exercício físico você faz, a qualidade da sua alimentação, a qualidade do seu sono e a qualidade de suas relações sociais.

Existe evidência de que fatores genéticos também podem contribuir para você desenvolver distimia. As pesquisas estimam, por exemplo, que filhos de pessoas com distimia costumam, também, desenvolver distimia 50% das vezes.

Quais são os sintomas de distimia?

O principal sintoma de distimia é que, nos últimos dois anos, você tenha sentido um humor deprimido, na maior parte dos dias.

Humor deprimido é o nome que a gente dá para um estado de baixo ânimo e baixo prazer. Embora humor deprimido não seja tão intenso quanto uma depressão, ele ainda é um humor mais deprimido do que você tinha antes da distimia, e do que a média das pessoas tem. Além desse sintoma, para você ser diagnosticado com distimia, você tem que ter presentes pelo menos dois dos seguintes sintomas:

  • Mudanças de peso;
  • Mudança de apetite;
  • Variações no seu sono (seja insônia ou hipersonia);
  • Baixa auto estima;
  • Sensação constante de desesperança com a solução dos problemas.

Como identificar a distimia?

Um dos maiores problemas na identificação da temia é que a pessoa com distimia reconheça que tem sintomas. Como a distimia se caracteriza por um período longo com esses sintomas, muitas vezes, a pessoa começou a acreditar que esses sintomas fazem parte da personalidade dela.

Então, em vez de encarar esse baixo ânimo e essa tristeza como sinais de um problema, ela se resignou com aquilo. Ou seja, agora ela entende que os sintomas fazem parte de quem ela é.

Em muitos transtornos mentais a gente sugere que a pessoa se compare com ela mesma um ano atrás e perceba se houve diferença. Só que, com a distimia, essa comparação pode não fazer sentido, porque dois anos atrás a pessoa já tinha todos esses sintomas.

Nesses casos, você deve ajudar a pessoa com distimia a reparar que o baixo ânimo e a tristeza constantes dela são diferentes da média das pessoas com quem ela convive. Essa diferença na comparação com os outros pode ser um indicativo de que está na hora de buscar tratamento.

Como lidar com uma pessoa com distimia?

Se você é amigo ou familiar de uma pessoa com distimia, você deve incentivar essa pessoa a ter uma rotina mais ativa. Até porque ter distimia não significa que você não pode fazer mudanças na sua rotina que diminuam muito os sintomas da distimia.

Se você, como familiar, incentiva que essa pessoa faça exercício, participe de projetos e tenha uma rotina ativa você está ajudando muito.

Distimia tem cura?

Sim, distimia pode ter cura! O mesmo tratamento que se aplica para a depressão pode ser aplicado para distimia e obter bons resultados. E a essência desse tratamento para depressão, hoje chamado ativação comportamental, é, justamente, tornar a rotina dessa pessoa mais ativa, organizada e prazerosa

Assim, a combinação da farmacoterapia, proporcionada pela psiquiatra, com a psicoterapia, proporcionada pelo psicólogo e com a mudança de hábitos é a melhor estratégia para quem tem distimia.

Tratamentos para combater os sintomas

O tratamento para combater os sintomas é a combinação tripla de tratamentos que a gente sempre recomenda: psicoterapia, farmacoterapia e mudança de hábitos.

A psicoterapia, com psicólogo, ajuda a pessoa com distimia a separar quem ela é dos sintomas que ela tem. Assim, a pessoa com distimia não cai na armadilha de desistir de suas metas ou nem começar por se considerar uma pessoa incapaz.

A farmacoterapia, com psiquiatra, permite que você regule, quimicamente, o seu cérebro, para que seja mais fácil viver uma vida de mais ânimo e atividade. Pode ser bem difícil encontrar os remédios certos logo de cara, mas depois de experimentações com o seu psiquiatra, provavelmente, você encontra algo que melhore seu ânimo, com confiança.

E o terceiro pilar é a mudança de hábitos. Por mais que você sinta esse ânimo baixo e essa tristeza alta, na maior parte dos dias, é possível tomar atitudes para que a sua vida tenha mais prazer e mais atividade.

Você se permite começar a fazer exercício físico, em pequenos passos, como cinco minutos de caminhada por dia. Você pode fazer um progresso lento, mas estável, na direção de uma vida sem distimia.

Tratamento da Depressão na Eurekka

Agora, eu quero falar para você sobre o tratamento da distimia na Eurekka. Se esse texto te fez imaginar toda a mudança que seria possível na sua vida caso você tratasse sua distimia, eu convido você para dar uma olhada no site da terapia da Eurekka.

Nossos psicólogos são treinados nos melhores métodos de terapia comportamental para vencer os sintomas da depressão e da distimia, em micropassos.

Se você quiser assistir um vídeo sobre se a distimia tem cura, seus sintomas e tratamentos, nós preparamos um para você. Para acessar, basta clicar aqui!

Parabéns por ter chegado até aqui! A gente quer interagir com você, então pode comentar aqui embaixo que a gente promete responder, tá?

Eu espero que você tenha achado esse texto informativo, muito obrigado e até o próximo!