Diverticulite: o que é, sintomas e melhores tratamentos

Laura Almeida

Laura Almeida

JUNTE-SE A MAIS DE 150.000 PESSOAS
Receba o Momento Eurekka com dicas semanais de Saúde Emocional exclusivas:

Você já ouviu falar na diverticulite? Conhece alguém que já teve? Mas você realmente sabe o que é? Nesse post, você descobre o que é essa doença, porquê ela acontece, quais os tratamentos e muito mais!

O que é diverticulite?

Dor de diverticulite

A diverticulite é uma doença causada por inflamação dos divertículos intestinais.  Para entender porque essa inflamação acontece, primeiramente é importante saber o que são os divertículos intestinais. Assim, divertículos são como pequenos sacos, em formato de ponta de luva, na parede do intestino.

O intestino tem bactérias naturais, estas podem acumular, junto com pequenos restos de alimentos e fezes, nesses pequenos sacos. Portanto, quando os divertículos com bactérias e restos inflamam ou infectam, ocorre a diverticulite.

Como os divertículos se formam?

Divertículos são saliências em forma de saco na parede de órgãos do sistema digestivo. Por isso, podem ocorrer em qualquer parte do sistema gastrointestinal, mas são mais comum no intestino grosso. Além disso, os divertículos se classificam em hipotônicos ou hipertônicos.

Divertículos hipotônicos ocorrem porque a musculatura lisa do intestino se afrouxa.

Já os divertículos hipertônicos ocorrem pela pressão aumentada no cólon e aumento do tônus muscular.

A diverticulose é a condição na qual há muitos divertículos na parede intestinal. Esses divertículos podem acumular fezes e bactérias do intestino. As bactérias, por sua vez, podem provocar uma infecção ou também uma inflamação. Assim, quando esses divertículos ficam infectados ou inflamados ocorre a diverticulite. Outro ponto importante é que a diverticulite pode causar complicações. 

Essas complicações podem ser: 

  • perfurações na parede intestinal; 
  • abscessos; 
  • fístulas; 
  • peritonite (inflamação do peritônio); 

Então, para evitar essas complicações, é importante procurar o médico assim que sentir os primeiros sintomas da diverticulite.

Causas da diverticulite

A diverticulite é a inflamação dos divertículos intestinais. Assim, as principais causas da formação dos divertículos são:

  • Dieta pobre em fibras: prejudica a formação adequada das fezes
  • Envelhecimento: provoca perda de elasticidade dos músculos intestinais, aumentando a probabilidade de se formarem os divertículos
  • Aumento da pressão no cólon: provocada por hábito intestinal ruim, gravidez, entre outras
  • Tendência genética de desenvolver a doença: pessoas que apresentam familiares próximos com divertículos, mesmo sem diverticulite

Principais sintomas

dor abdominal

A diverticulite aguda é uma complicação na doença diverticular que já existia. O quadro pode ser grave ou moderado, e os principais sintomas são:

  • dor no abdômen, geralmente no lado esquerdo, na parte inferior
  • febre baixa
  • alteração do hábito intestinal (geralmente prisão de ventre)
  • distensão abdominal 
  • náuseas e vômitos
  • sangramento nas fezes 
  • dificuldade em urinar 
  • febre

É muito importante que você procure atendimento médico se sentir esses sintomas, pois é fundamental investigar para ter certeza se é diverticulite ou não.

Diagnóstico: como identificar a diverticulite?

Buscando ajuda médica

O médico saberá avaliar adequadamente se os sintomas apresentados se encaixam no quadro de diverticulite. Ele também orientará os melhores exames que podem ajudar no diagnóstico.

Assim, um clínico geral pode diagnosticar ou ter a suspeita de que o quadro é uma diverticulite. Mas também, ele poderá te direcionar para os especialistas se achar necessário. Nesse caso, os especialistas que podem auxiliar no tratamento da diverticulite são o cirurgião geral, o cirurgião do aparelho digestivo ou o coloproctologista.

banner eurekka med

Colonoscopia

É um exame que não se indica em casos agudos da doença. Ou seja, não se faz esse exame quando a diverticulite está ativa. Apenas depois que a infecção diminuir for tratada é que o médico pede esse exame para descartar outras hipóteses de doenças.

Tomografia computadorizada

Este exame permite descartar outras hipóteses, como a apendicite. Além disso, é seguro para gestantes.

Exames de sangue

exame de sangue

O médico pode solicitar esse tipo de exame para ajudar no seu raciocínio. Entretanto, não é um exame que confirma a presença ou ausência da doença. Ainda assim, ajuda o médico a avaliar a necessidades de antibióticos ou da cirurgia.

Exames de imagem

Além da tomografia e colonoscopia citadas acima, o médico pode pedir outros exames para complementar seu raciocínio.

A radiografia simples (Raio X), o ultrassom abdominal, a ressonância nuclear magnética e o enema opaco são alguns exames de imagem que dão certeza ao médico sobre o quadro. O enema opaco, entretanto, não se indica para casos agudos. Lembrando que é o médico que avalia a necessidade ou não desses exames.

Contudo, o mais importante para diagnosticar a diverticulite são os sintomas. Nesse sentido, não é necessário se preocupar caso esses exames não sejam pedidos.

Tratamento da diverticulite

Mudança na dieta e ingestão de fibras: é muito importante incluir alimentos ricos em fibras no dia-a-dia. Esses alimentos são frutas, legumes, vegetais, cereais e grãos integrais. Tais alimentos contribuem para o bom funcionamento intestinal e para a prevenção da doença diverticular.

Além disso, beber água e outros líquidos também é muito importante para a melhor formação das fezes. Entretanto, quando há recomendação médica, pode ser necessário ficar em jejum. O jejum geralmente só é pedido em casos agudos.

Analgésicos e bolsas de água quente

São excelentes formas de minimizar os sintomas como a dor. Mas atenção: se os sintomas não melhorarem ou piorarem, procure seu médico.

Antibióticos

Remédios

Podem ser utilizados em casos agudos ou para evitar a progressão de casos crônicos. Mas lembre-se sempre que antibióticos só devem ser utilizados com a prescrição médica adequada.

Além disso, é importante utilizar os medicamentos pelo tempo recomendado pelo médico. Assim, mesmo que os sintomas melhorem antes, é importante fazer o tratamento até o fim do período recomendado. Isso evita que as crises reapareçam e que se formem complicações.

Cirurgia

Pode ser necessário realizar uma cirurgia de emergência. Isso ocorre quando há complicações como a peritonite ou ruptura intestinal. Além das emergências, pessoas com sintomas graves que não melhoram com o tratamento convencional também podem se beneficiar da cirurgia. A cirurgia consiste na remoção da parte do intestino que foi afetada pela diverticulite.

Entretanto, a diverticulite pode gerar algumas complicações como: abscessos, perfuração ou inflamação. Quando os cirurgiões encontram essas complicações, não conseguem religar as extremidades do intestino. Nesses casos, é necessário uma colostomia temporária para a saída das fezes.

A colostomia, portanto, é uma abertura na barriga por onde as fezes saem e ficam armazenadas em uma bolsa. Após o tratamento das complicações, é possível religar o intestino e remover a bolsa de colostomia. Assim, a pessoa pode voltar a evacuar pelo ânus.

Gostou do texto?!  Para acessar muitos outros é só acessar nosso blog, clicando nesse link. Além disso, aproveite e veja também todos os nossos conteúdos no nosso aplicativo e em nossas redes sociais: Instagram,  Facebook e YouTube!

🥰 Este artigo te ajudou?

0 / 5 0

Escrito por:

Compartilhe com seus amigos

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

Artigos Relacionados