Meningite: o que é, tipos, como pegar e tratamento

Mércia Ferreira

Mércia Ferreira

JUNTE-SE A MAIS DE 150.000 PESSOAS
Receba o Momento Eurekka com dicas semanais de Saúde Emocional exclusivas:

A meningite é uma doença de origem infecciosa ou não. Ela afeta pessoas de várias faixas etárias, mas mais as crianças. Os agentes infecciosos causadores da doença, em geral, são micro-organismos como vírus, fungos e bactérias.

Os sintomas da meningite se confundem com os de outras doenças como o resfriado comum. Por isso, é muito importante estar alerta e conhecer seus sintomas, os tipos, o processo de contágio e as formas de prevenção.

O que é meningite

meningite no cérebro

As meninges são um conjunto de três diferentes membranas com função de proteger e revestir o encéfalo e medula espinhal (sistema nervoso). Assim, a meningite resulta da inflamação dessas membranas devido, em especial, à infecção por vírus e bactérias e sua infiltração no sistema nervoso. 

Embora a meningite seja causada, na sua maioria, por vírus e bactérias, suas causas também se associam à infecção por fungos e outras causas não-infecciosas, mas em menor frequência.

Tipos de meningite

Existem diferentes tipos de meningite, que se classificam, em especial, de acordo com o agente causador. Assim, há a meningite bacteriana, que é a mais agressiva e frequente. Também há a meningite viral e a meningite fúngica, conhecidas também como meningites assépticas, ou seja, não bacteriana.

Além dos tipos citados e que se referem aos tipos de origem infecciosa da doença, há casos raros em que a meningite é de causa não-infecciosa. Assim, entre essas causas estão: traumatismos cranianos, efeitos colaterais de medicamentos e até mesmo tumores.

Causas

vírus da meningite

A doença ocorre, na maioria das vezes, devido à infiltração de bactérias e vírus no cérebro. Isso acontece quando esses micro-organismos atingem a corrente sanguínea e vão para o cérebro causando, inflamação das meninges.

Dentre as diferentes causas, a de origem bacteriana é a de maior urgência de consulta médica, pois há possibilidade de evoluir para óbito. Já, as causadas por fungos e vírus, são menos perigosas e os pacientes curam de formar mais rápida.

Bactérias 

As meningites causadas por infecções bacterianas são as mais frequentes. Além da possibilidade de evoluir para um quadro mais delicado e perigoso. A meningite bacteriana, contudo, pode deixar sequelas no paciente e até mesmo levá-lo a óbito.

Devido às campanhas de vacinação, os casos de meningite bacterianas diminuíram. No entanto, novos casos ainda ocorrem e suas causas são, em especial, bacterianas:

  • Escherichia coli;
  • Mycobacterium tuberculosis;
  • Streptococcus Pneumoniae;
  • Neisseria Meningitidis;
  • Haemophilus influenzae;
  • Listeria Monocytogenes;
  • Outras.

Vírus

A maioria das meningites assépticas são virias. Essas meningites causadas por vírus são menos perigosas e possuem um curso clínico mais favorável. Da mesma forma, elas têm sequelas menos vezes.

Além disso, a meningite viral também está associada a uma melhora rápida de menos de uma semana e não precisa de medicação específica.  São diferentes tipos de vírus que podem causar meningite viral. Veja a lista a seguir:

  • Enterovírus;
  • Vírus da caxumba;
  • Vírus da Herpes simples;
  • Arbovírus, transmitidos por mosquitos; 
  • Vírus da imunodeficiência humana (HIV).

Transmissão: como se contrai meningite?

Transmissão meningite

O agente infeccioso viral e bacteriano se move através das vias respiratórias. Por isso, está presente em gotículas e secreções vindas do nariz e garganta dos infectados. 

Assim, o contágio ocorre de forma direta pelo contato com pessoas com a doença. Também pode ocorrer pela partilha de objetos pessoais como talheres e copos, contato com gotículas de saliva durante a fala, abraços, beijos e aperto de mãos.

No caso de meningites causadas por bactérias e vírus específicos, há outras vias de transmissão. 

A transmissão da meningite viral causada por arbovírus, por exemplo, ocorre através da picada do mosquito hospedeiro do vírus. Já, as causadas por enterovírus, ou seja, vírus que atacam o intestino, a contaminação é fecal-oral, ou seja, de alguma forma indireta a pessoa se comeu alimentos contaminados com as fezes de alguém contaminado!

Para de meningite bacteriana causada por Listeria Monocytogenes, o perigo maior é para gestantes, pessoas com imunidade comprometida, recém-nascidos e idosos. Nesse caso, contaminação se dá através de alimentos contaminados, em ambientes hospitalares infecciosos e pelo contato com animais.

Quando a meningite é contagiosa? 

A meningite é contagiosa quando entramos em contato com pessoas infectadas pelo vírus, fungo ou bactéria causadora da doença. Por isso, é importante evitar contato com pessoas contaminadas.

Além disso, não se devem compartilhar objetos de uso pessoal, como copos, talheres ou qualquer outro  utilizado pelo doente que tenha entrado em contato com suas gotículas de saliva. Comportamentos como abraçar, beijar, apertar a mão e proximidade durante a fala também podem favorecer o contato com gotículas de saliva contaminadas.

Por fim, é importante lembrar que o contágio também acontece por picada de mosquito. Por exemplo: a picada de mosquitos contaminados causa meningite do tipo arbovírus. Outras meningites bacterianas são transmitidas pelo consumo de alimentos contaminados.

Sintomas de meningite

Rigidez de pescoço

Os sintomas das diferentes meningites, muitas vezes, são confundidos com sintomas de outras doenças comuns, como a gripe, por exemplo. Por isso, é importante manter-se informado sobre os sintomas de cada tipo de meningite.

No início, há aparecimento súbito de febre, dor de cabeça e rigidez do pescoço. Mas não é só isso, porque outros sintomas podem servir de alerta! Acompanhe!

Os sintomas iniciais de febre, dor de cabeça e rigidez do pescoço são características da meningite viral e bacteriana.

Meningite viral

Entre os demais sintomas apresentados na meningite viral destacam-se os seguintes:

  • Náusea
  • Vômito 
  • Perda de apetite 
  • Irritabilidade 
  • Sonolência 
  • Pouca energia (letargia)
  • Sensibilidade à luz (fotofobia)

Meningite bacteriana

Os principais sintomas da meningite bacteriana são:

  • Mal estar
  • Náuseas
  • Vômitos 
  • Sensibilidade à luz (fotofobia)
  • Confusão mental

Em casos graves, podem estar inclusos os seguintes sintomas: 

  • Convulsões 
  • Delírios 
  • Tremores
  • Coma

No caso de a pessoa infectada ser um recém-nascido, alguns desses sintomas podem não estar presentes ou serem de difícil identificação. Assim, fique atento a alguns aspectos do bebê como irritabilidade, vômitos, letargia, não responsividade a estímulos, moleira protuberante ou reflexos anormais.

Diagnóstico: buscando ajuda médica

Devido à gravidade do caso clínico, os tratamentos devem ser o mais breve possível. Por isso, em caso de suspeita da doença, é vital procurar um pronto-socorro hospitalar para avaliação médica.

Em caso de suspeita de meningite, o médico solicitará uma análise de sangue e líquido cérebro-espinhal (líquor). Esses exames são importantes para identificar o agente que causa a doença para que, assim, o médico saiba qual medicação usar.

banner eurekka med

Tratamento

A doença tem risco de evoluir para um caso grave e de risco à vida. Por isso, os indivíduos com suspeita são internados e, após identificação do agente infeccioso, inicia-se o tratamento.

Para os casos mais graves, que são as meningites bacterianas, o tratamento é com antibióticos pela veia o mais rápido possível. Mas o tipo de antibiótico é determinado pelo médico que atendeu o paciente.

Por outro lado, para a meningite viral, na maioria dos casos, não se usa medicamento antiviral. Dessa forma, o paciente, em geral, é internado e monitorado até a recuperação espontânea. Essa recuperação costuma ser rápida.

Já a meningite fúngica possui um período de tratamento mais prolongado. Nesse tratamento, se usam altas dosagens de antifúngicos e por longos períodos.

Prevenção e vacinas

Diferentes agentes infecciosos causam diferentes tipos de meningite. Embora não haja um método de prevenção para cada um deles existem medidas de prevenção primárias para os principais causadores da doença. E as vacinas são um exemplo!

Assim, as vacinas disponíveis e previstas para a vacinação de crianças do programa nacional de imunização são: vacina meningocócica conjugada para o sorogrupo C, vacina pneumocócica contra Streptococcus Pneumoniae, vacina pentavalente que protege contra Haemophilus influenzae  e a BCG contra formas graves de tuberculose. Clique aqui para entender como as vacinas são fabricadas!

Além de medidas de prevenção com vacina, há também medidas de prevenção com medicamentos. Entretanto, essas são só fornecidas para indivíduos que tiveram contato com casos de Doença Meningocócica e meningite por Haemophilus influenzae.

Por fim, outras medidas de prevenção são: manter higiene pessoal e de alimentos, evitar ambientes de aglomeração e manter os ambientes ventilados e limpos. 

Gostou do texto?!  Para acessar muitos outros é só acessar nosso blog, clicando nesse link. Além disso, aproveite e veja também todos os nossos conteúdos no nosso aplicativo e em nossas redes sociais: Instagram,  Facebook e YouTube!

🥰 Este artigo te ajudou?

0 / 5 0

Escrito por:

Compartilhe com seus amigos

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

Artigos Relacionados