Brintellix: conheça o antidepressivo multimodal vortioxetina

JUNTE-SE A MAIS DE 150.000 PESSOAS
Receba o Momento Eurekka com dicas semanais de Saúde Emocional exclusivas:

A vortioxetina, vendida sob o nome comercial Brintellix, é um medicamento usado para tratar o Transtorno Depressivo Maior (TDM), ou seja, a depressão.

A vortioxetina é o primeiro antidepressivo multimodal para o tratamento da depressão. A substância foi descoberta por cientistas da Lundbeck, que relataram a lógica e a síntese da droga (então chamada de Lu AA21004) em um artigo de 2011.

Ela foi aprovada pelo FDA dos EUA para o uso médico no tratamento da depressão em adultos em setembro de 2013, na Europa no final daquele ano, e chegou ao Brasil em março de 2016. Em 2017, chegou a ser o 312º medicamento mais prescrito nos Estados Unidos, com mais de 1 milhão de prescrições.

Neste texto, você vai entender o que é o Brintellix (vortioxetina), para que é indicado, como age no organismo, efeitos terapêuticos e colaterais, além dos benefícios em relação a outros medicamentos para depressão. Vai saber como usar, duração do tratamento e suas contraindicações de uso.

O que é o Brintellix e para o que é indicado?

Brintellix, antidepressivo

A substância ativa do Brintellix, a vortioxetina, é um antidepressivo e é classificada como um modulador da serotonina – neurotransmissor que transmite sinais entre as células nervosas e atua regulando o humor, sono, apetite, ritmo cardíaco, temperatura corporal, sensibilidade e funções intelectuais.

Como a serotonina está envolvida no controle do humor e pode regular as ações de outros neurotransmissores que podem estar envolvidos na depressão e na ansiedade, acredita-se que essas ações da vortioxetina resultem em seu efeito na melhora da depressão.

A depressão é um transtorno que afeta a forma como as pessoas se sentem, pensam e se comportam, causando sentimentos persistentes de tristeza e perda de interesse em atividades anteriormente apreciadas. Enquanto algumas pessoas podem experimentar apenas um único episódio de depressão em suas vidas, outras apresentam vários episódios ao longo dos anos.

A vortioxetina tem uso extra-oficial para tratar a ansiedade. Porém, uma revisão de 2016 descobriu que não era útil no transtorno de ansiedade generalizada em doses de 2,5, 5 e 10mg (doses de 15 e 20mg não foram testadas).

Com o Brintellix age no organismo?

cérebro

Mas qual o mecanismo de ação da vortioxetina?

O Brintellix atua em diferentes receptores de serotonina no cérebro, bloqueando a ação de alguns receptores e tendo alguma ação estimulante em outros.

Além disso, a vortioxetina bloqueia a ação do transportador da serotonina, que é responsável por limpar a serotonina de seus locais de atividade no cérebro, fazendo assim com que a atividade da serotonina aumente.

Isso o coloca na classe de antidepressivos atípicos conhecidos como moduladores e estimuladores da serotonina. O Brintellix é um modulador e estimulador da serotonina, assim como a Vilazodona – medicamento indicado para o tratamento de depressão em adultos.

Pode levar até quatro semanas após o início do tratamento para que o paciente sinta todos os benefícios. A vortioxetina atinge o pico de concentração plasmática (Cmax) em 7 a 11 horas após a administração, e sua meia-vida terminal média é de aproximadamente 66 horas.

Os valores médios de Cmax no estado estacionário foram 9, 18 e 33 ng/mL após as doses de 5, 10 e 20 mg/dia. Se chegam às concentrações plasmáticas no estado estacionário são normalmente em duas semanas.

Benefícios da vortioxetina em relação a outros tipos de antidepressivos

Com base em dados de ensaios clínicos, a vortioxetina demonstrou ser um tratamento inicial e de manutenção eficaz para a depressão. Assim, os médicos o prescrevem quando outros tratamentos falharam. Na Grã-Bretanha, inclusive, este medicamento tem recomendação apenas para pessoas que não melhoraram o suficiente com pelo menos dois outros antidepressivos.

Em relação à tolerabilidade, a vortioxetina pode ter um perfil mais seguro em comparação com outros antidepressivos tradicionais, com redução do risco de ganho de peso e disfunção sexual; no entanto, as taxas de náusea tendem a ser numericamente mais altas nos estudos com vortioxetina.

Estudos comparativos adicionais são necessários para comparar melhor a eficácia e segurança com os agentes tradicionais e determinar o melhor local na prática para usar a vortioxetina.

Após inúmeros ensaios clínicos que comprovaram eficácia e tolerabilidade, passou-se a considerar a substância como uma alternativa aos demais antidepressivos do mercado.

Efeitos esperados do Brintellix

Brintellix

A vortioxetina é o primeiro antidepressivo multimodal para o tratamento da depressão. Este medicamento atua ajudando a restaurar o equilíbrio de serotonina no cérebro.

A vortioxetina é um SSRI (inibidor seletivo da recaptação da serotonina) e modulador do receptor da serotonina. Assim, esse medicamento pode melhorar o humor, sono, apetite e nível de energia e pode ajudar a restaurar o interesse na vida diária.

O Brintellix passou por 12 estudos principais de curto prazo envolvendo mais de 6.700 pacientes com depressão maior (incluindo um estudo em pacientes com 65 anos ou mais). Se comparou ao uso de um placebo durante 6 ou 8 semanas.

O principal parâmetro de eficácia em cada estudo foi a alteração de uma pontuação padrão para sintomas de depressão. Os estudos mostraram que doses de Brintellix variando de 5 a 20 mg foram geralmente mais eficazes do que o placebo na melhora da depressão e resultaram em uma diminuição clinicamente relevante dos escores de depressão.

Dados de suporte de extensões de 52 semanas de vários desses estudos sugeriram que as melhorias se mantiveram por um longo prazo.

Além disso, a empresa apresentou os resultados de dois outros estudos principais. Numa comparação de 12 semanas do Brintellix com outro antidepressivo, a agomelatina, o Brintellix foi mais eficaz do que a agomelatina na melhoria da pontuação dos sintomas.

Um estudo de 24 semanas que comparou o efeito do Brintellix com o placebo na prevenção de recidivas da depressão concluiu que a proporção de doentes que receberam Brintellix que recaíram durante o estudo foi de 13%, em comparação com 26% no grupo do placebo.

Efeitos colaterais do Brintellix

Os efeitos colaterais mais comuns relatados com a vortioxetina são náuseas, diarréia, boca seca, constipação, vômitos, flatulência, tontura e disfunção sexual.

No entanto, com a exceção da náusea, esses efeitos adversos ocorreram em menos de 10% dos participantes do estudo que receberam a droga ativa, com até 8% dos participantes tratados com placebo relatando os mesmos efeitos colaterais.

A incidência de disfunção sexual é apenas ligeiramente maior em pacientes que tomam vortioxetina do que em pessoas que tomam placebos e ocorre em menos de 10% dos pacientes tratados com vortioxetina. Por isso, os médicos indicam a vortioxetina para pessoas que sofreram efeitos colaterais sexuais de outros medicamentos antidepressivos.

Os efeitos colaterais graves podem incluir suicídio em menores de 25 anos, síndrome da serotonina, sangramento, mania e SIADH (Síndrome da Secreção Inapropriada do Hormônio Antidiurético).

Uma síndrome de abstinência pode ocorrer se a dose for diminuída rapidamente. Os médicos também não recomendam o uso durante a gravidez e a amamentação.

Contraindicações e precauções

Brintellix, antidepressivo

A vortioxetina atua nos receptores da serotonina, por isso pode causar a síndrome da serotonina e é contra-indicada ao usar IMAO.

Também é contra-indicado quando a vortioxetina é interrompida e os IMAOs serão prescritos em 21 dias. Assim que um IMAO é interrompido, a vortioxetina não pode ser iniciada nos 14 dias seguintes.

Piora clínica e risco de suicídio

A vortioxetina é um antidepressivo e, portanto, existe a preocupação de que ela possa potencialmente piorar a depressão e aumentar o suicídio. É necessário monitorar adequadamente os pacientes quanto à piora clínica, tendências suicidas e mudanças incomuns de comportamento.

Os pacientes também devem ser rastreados para transtorno bipolar, porque o tratamento com um antidepressivo sozinho pode aumentar a probabilidade de um episódio misto / maníaco.

Síndrome da serotonina

A vortioxetina é uma droga serotonérgica que apresenta o risco de causar a síndrome da serotonina, especialmente quando combinada com outras drogas serotoninérgicas, como SSRIs, SNRIs, TCAs ou IMAO.

Síndrome da serotonina é uma condição que causa sintomas como:

  • Agitação;
  • Alterações mentais (como confusão ou hipomania);
  • Arrepios;
  • Diarreia;
  • Espasmos musculares (mioclonia);
  • Febre;
  • Movimentos descoordenados (ataxia);
  • Reflexos neurológicos aumentados (hiperreflexia);
  • Sudorese intensa sem que tenha havido qualquer atividade física exaustiva;
  • Tremores.

O uso de IMAOs e linezolida com vortioxetina está contra-indicado. Deve-se monitorar quem usa dois ou mais agentes serotoninérgicos, especialmente durante aumentos da dosagem e tratamento inicial.

Sangramento anormal

A vortioxetina pode causar um aumento no risco de hemorragia devido à interferência na recaptação da serotonina. O uso concomitante de AINEs, aspirina, varfarina e anticoagulantes pode aumentar o risco de sangramento anormal.

Ativação de Mania/Hipomania

Entre os pacientes em uso de vortioxetina, os relatos de sintomas de mania / hipomania foram inferiores a 0,1%. No entanto, quem tem histórico pessoal ou familiar de transtorno bipolar, mania ou hipomania deve usar com cautela esse remédio.

Hiponatremia

Hiponatremia, que é a redução da concentração plasmática de sódio, apareceu em um relato de um paciente em uso de vortioxetina. Pessoas idosas apresentam maior risco de apresentar esse problema, assim como pacientes em uso de diuréticos. Além disso, a vortioxetina deve ser descontinuada se houver sinais e sintomas de hiponatremia e se houver diminuição dos níveis de sódio.

Como usar vortioxetina

homem com distimia tomando medicamentos

Recomenda-se tomar o Brintellix por via oral, com ou sem alimentos, conforme indicado pelo médico especialista, geralmente uma vez ao dia. A dosagem tem base na condição médica, resposta ao tratamento e outros medicamentos sendo utilizados simultaneamente (incluindo medicamentos controlados, medicamentos sem receita e produtos à base de plantas).

A dose inicial usual é de 10 mg uma vez ao dia. Dependendo de como você responde ao medicamento, é possível aumentar para 20 mg ou reduzir para 5 mg uma vez ao dia.

Para reduzir o risco de efeitos colaterais, o médico pode orientar o paciente a iniciar este medicamento com uma dose baixa e aumentar gradualmente a dose.

E atenção: Não se deve aumentar a dose e a frequência de uso, assim como não se deve usar este medicamento por mais tempo do que o prescrito. A condição do paciente não vai melhorar mais rápido e o risco de efeitos colaterais aumentará.

O paciente deve continuar tomando este medicamento mesmo que se sinta bem e não deve parar de tomar este medicamento sem consultar um médico. Algumas condições podem piorar quando há interrupção repentina do medicamento.

Além disso, pode-se sentir sintomas como alterações de humor, dores de cabeça, rigidez muscular e coriza. Para prevenir estes sintomas enquanto interrompe o tratamento com este medicamento, o médico pode reduzir a dose gradualmente.

Interações com outros medicamentos

Se a vortioxetina for prescrita juntamente com os inibidores seletivos da recaptação da serotonina (ISRSs) ou outras drogas serotonérgicas, isso pode induzir a síndrome da serotonina potencialmente fatal.

Uma vez que a vortioxetina é um agonista e antagonista de vários receptores da serotonina, podem ocorrer interações potenciais com outros medicamentos que alteram as vias serotonérgicas. Existe um risco aumentado de síndrome da serotonina quando se combina a vortioxetina com outros agentes serotoninérgicos.

Os medicamentos que devem ser evitados devido ao risco aumentado de síndrome síndrome serotoninérgica quando combinados com a vortioxetina incluem IRSNs, ISRSs, TCAs, triptanos, IMAOs, linezolida, azul de metileno, meperidina, fentanil, pentazocina, lítio, tramadol e agentes antipsicóticos.

Também deve-se evitar erva de São João e o dextrometorfano, medicamentos comuns sem receita, por causa de seus efeitos serotonérgicos.

A vortioxetina é um medicamento que pode causar sangramento anormal. Portanto, deve-se usar com cautela outros medicamentos que afetam a hemostasia. Esses remédios incluem antiinflamatórios não esteróides, varfarina e aspirina. Os pacientes devem ficar atentos a sinais e sintomas de sangramento anormal.

Duração do tratamento com Brintellix

A duração do tratamento varia de indivíduo para indivíduo, mas geralmente tem duração mínima de aproximadamente 6 meses após o desaparecimento dos sintomas depressivos. Pode ser necessário um tratamento mais prolongado.

A doença latente pode persistir por um longo período de tempo. Caso haja interrupção precoce do uso, os sintomas podem voltar. Especialistas recomendam o tratamento durante pelo menos um semestre para a consolidação da resposta antidepressiva.

Tratamento psiquiátrico e psicológico com a Eurekka

sede presencial eurekka

O tratamento de muitos transtornos são feitos com atendimento multidisciplinar, isto é, o tratamento com médicos e psicólogos. Por isso, a Eurekka disponibiliza consultas presenciais e online com médicos especialistas através da EurekkaMed (clique aqui para saber mais).

Além disso, a Eurekka também disponibiliza consultas de psicoterapia na forma presencial e online, para qualquer lugar do mundo! Então, fique à vontade para marcar uma conversa inicial com um de nossos terapeutas, clicando aqui!

Gostou do texto? Então, para acessar mais conteúdo gratuitos como esse, baixe nosso aplicativo ou clique na rede social que preferir: InstagramFacebook e YouTube!

🥰 Este artigo te ajudou?

0 / 5 5

Compartilhe com seus amigos

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

Artigos Relacionados