fbpx
Escolha uma Página

Você já parou para se perguntar quando uma tristeza se torna uma depressão de verdade? No texto de hoje, vamos te ensinar a identificar a depressão e mostrar como se faz o diagnóstico da depressão.

Depressão é doença?

A depressão é uma doença e é o transtorno mais incapacitante dos últimos tempos. Estima-se que 1 em cada 4 pessoas vai desenvolver depressão, em algum ponto da vida – e isso é muita gente, já que uma em cada quatro pessoas no mundo é o equivalente à população da China e dos Estados Unidos somadas!

Quais os sintomas da depressão?

Para fazer o diagnóstico da depressão é preciso, primeiramente, conhecer os seus principais sintomas. O DSM 5, Manual Estatístico de Doenças Mentais, estabelece que você tem que ter apresentado, pelo menos, 4 dos 9 sintomas que eu vou escrever aqui, nas últimas duas semanas.

São sintomas importantes no diagnóstico de depressão:

  • Pensamento de morte ou vontade de morrer – às vezes até vontade de tirar a própria vida;
  • Sensação de culpa ou de remorso constante;
  • Sentimento de desconexão com as coisas que davam prazer;
  • Humor mais deprimido e mais triste, todos os dias;
  • Irritabilidade – quando você se irrita, muito facilmente, por pequenas coisas, que em outros tempos não teriam atingido você;
  • Alterações no seu sono – dormindo mais ou dormindo menos, sonhando muito, acordando no meio da noite, demorando para pegar no sono ou acordando muito cedo de manhã sem conseguir voltar a dormir;
  • Mudanças no seu apetite ou no peso – como querer comer tudo o que vê pela frente ou perder completamente a fome, sem nenhuma causa fisiológica;
  • Movimentos físicos mais lentos, percebidos por outra pessoa;
  • Dificuldade de concluir o raciocínio, pensamento desorganizado.

Os médicos e psicólogos, como nós, vão tentar entender como anda sua vida e quantos desses sintomas você apresenta, nos últimos tempos, para poder fazer um diagnóstico.

O que leva uma pessoa a ter depressão?

São três fatores que provocam, e permitem, que uma depressão se estabeleça.

Vulnerabilidade genética

Isso ocorre quando você tem, na família, mais pessoas que já tiveram depressão e têm um organismo que é mais suscetível a ser deprimido, que o da maioria das pessoas.

Estrutura de vida desregrada

Ou seja, você não controla sua alimentação, dorme muito menos ou muito mais do que deveria e não faz exercício físico, está sempre estressado. São dificuldades do seu estilo de vida que fazem com que você tenha maiores chances de entrar em depressão.

Algum gatilho

Pode ser aquele evento que deixou você muito triste, desregulou a sua vida e permitiu que você caísse em depressão. Seja porque você tinha uma predisposição genética, ou seja porque você não tinha hábitos de vida que sustentavam você.

Geralmente, eventos traumáticos, como perder alguém muito querido ou o fim de um relacionamento que era essencial na sua vida, são coisas que marcam você e dão início a essa espiral.

Como saber se a pessoa sofre de depressão?

Vamos, primeiramente, prestar atenção aos sintomas. Mesmo assim, é importante notar que a depressão é diferente de uma infecção, por exemplo, no que diz respeito a descobrir as causas.

Quando estamos com infecção, investigamos até descobrir o que causou aquilo, como uma bactéria. Assim, usamos algum tipo de remédio para matar a bactéria ou tomamos antibiótico e resolvemos.

Na depressão, o diagnóstico se mistura com as causas.

Então, não dá para dizer que você está depressivo porque não está fazendo exercício, ou que você está depressivo porque o seu sono está desregulado. Isso pois os próprios sintomas também vão ajudar você a se manter em depressão. Logo, tratar a causa não é o primeiro passo para tratar uma depressão.

Nesse sentido, você precisa tratar cada um desses sintomas, para ajudar você a se envolver com a vida de novo, ajudar a voltar a sentir alegria e, de repente, sentir menos humor deprimido.

Em resumo, não basta tratar a causa, você tem que tratar todos os efeitos dos sintomas da depressão, para conseguir sair dessa e construir uma vida mais feliz.

Como diferenciar tristeza e depressão?

A tristeza é uma emoção que aparece por um motivo específico, você teve uma expectativa quebrada, perdeu o emprego e está triste. Nesse caso, você consegue dizer o que gerou a tristeza.

Via de regra, essa tristeza é benéfica também, já que ela ajuda você a repensar a vida, pensar no que você pode ter feito errado e procurar apoio de pessoas queridas.

Por outro lado, a depressão permanece e, aos poucos, vai desligando você de todas as coisas que são importantes na sua vida.

De repente, você não está mais com vontade de fazer exercício e para de fazer, o que piora a depressão, ou você não está com vontade de fazer um relatório do trabalho e não faz, o que aumenta as chances de você perder o emprego ou receber uma advertência.

A depressão vai durar bem mais tempo do que uma tristeza e ela vai aos poucos destruindo as bases da sua vida.

E aqui vale dizer que existem vários tipos de depressão, como a depressão crônica (uma depressão que dura muito tempo), a depressão leve (quando quatro desses sintomas, que a gente conversou no início, estão presentes, mas não de maneira muito intensa), a depressão sazonal (ligada à época do ano) etc.

Como é feito o diagnóstico de depressão?

É a partir do diagnóstico de um profissional que você vai poder entender qual o tipo de depressão que você tem. Esse diagnóstico é feito através de muita conversa e de testes.

Nesse sentido, o profissional vai tentar entender, com você, quais sintomas estão presentes. Provavelmente, ele vai pedir que você avalie os sintomas, através de um teste de depressão, e vai ter uma boa ideia de qual é o seu caso.

É importante saber que não é tão essencial saber se você está com uma depressão ou não. O mais importante é começar a atacar cada um desses sintomas, mesmo que eles não sejam suficientes para o médico dizer que você tem depressão mesmo. Afinal, você não precisa de um diagnóstico de depressão grave para merecer ser tratado. Nesse caso, o diagnóstico nem é tão importante assim.

Após o diagnóstico de depressão, quais são os tratamentos?

Após essa avaliação do seu nível de depressão, existem vários tratamentos possíveis, mas a melhor combinação é:

Psicoterapia, com um psicólogo

Ajudando você a desenvolver novas habilidades para lidar com os pensamentos ruins, com as situações difíceis do dia a dia e com a falta de vontade.

Farmacoterapia, com um psiquiatra

Muitas vezes se você tiver uma depressão mais grave e o seu psicólogo e psiquiatra acharem que é o caso passar por um tratamento com medicamentos, tomar esses medicamentos para depressão pode ser essencial, para você, rapidamente, ter um estado mais disposto.

Mudança de hábitos

Como a criação de fatores de proteção, regulando sua alimentação e sono e garantindo que você faz alguma atividade física.

Se você fez uma terapia Cognitivo Comportamental ou Contextual, como a gente faz aqui na Eurekka, você aprende novas técnicas e novas habilidades para notar quando você está no começo de um processo depressivo, e para agir durante essa situação.

Além disso, cada vez mais estudos apontam que a prática regular de meditação pode ajudar você a controlar seu humor e a passar melhor pelas dificuldades da vida.

Aqui, não estou falando daquela meditação religiosa, tão diferente e tão bonita, dos monges. Eu estou falando de meditação como um treino diário, a fim de ter a capacidade de regular para onde o olho da sua mente está focando. Já produzimos muito conteúdo sobre essa prática, como videos para meditação guiada. Você pode acessar tudo isso clicando aqui!

O mais legal é que só um pouquinho de prática já pode ser suficiente para você notar a diferença. Por exemplo, 3 minutinhos por dia já podem, cumulativamente, ter um grande impacto na sua vida.

Precisa de ajuda? Procure a Eurekka

Se você está sentindo algum desses sintomas e acha que pode viver uma vida mais legal, eu te convido eu conhecer a terapia da Eurekka.

Então, clica aqui para acessar nosso site. Nossos profissionais podem atender você de qualquer lugar do mundo, na modalidade online, ou presencialmente em diversas cidades do país.

A gente vai ajudar você a, finalmente, levar a vida que você merece. Espero de coração que, mesmo que você não tenha todos esses sintomas, você possa aplicar essas técnicas para viver uma vida melhor.

Parabéns por ter chegado até aqui. A gente quer interagir com você, então pode comentar aqui embaixo que a gente promete responder, tá?